Cortando laços com outros deuses

Por Yuzo Imamura

Hudson Taylor disse uma vez: “A obra de Deus feita à maneira de Deus nunca terá falta da provisão de Deus”.

Como minha esposa e eu servimos em uma área rural do nordeste do Camboja, descobrimos que isso é verdade. Deus é cheio de surpresas.

Há pouco menos de dois anos, pela graça de Deus, começamos uma igreja doméstica. O início da igreja doméstica coincidiu com o batismo de dois de seus membros principais – Piseth* e sua esposa.

Estávamos orando para que os vizinhos de Piseth também conhecessem Jesus. Oramos por um homem chamado Roat*. Na época, ver Roat vir à fé e se juntar à igreja parecia um grande milagre. Deus teria que fazer algo grandioso.

A igreja se reunia na casa de Piseth, e ele e Roat não se davam bem. Toda vez que eu os visitava em suas respectivas casas, eles tinham coisas ruins a dizer um do outro.

Ainda assim, por algum motivo, Roat permitiu que seus dois filhos frequentassem uma escola dominical na casa de Piseth. Mas será que ele mesmo iria à igreja? Não, nunca.

Em um domingo pós-culto na casa de Piseth, parei para visitar Roat. Para minha surpresa, ele me disse que queria crer em Jesus, parar de beber e ser um marido melhor para sua esposa. Embora sua fala arrastada sugerisse que ele não estava completamente sóbrio, aproveitei a oportunidade para explicar o que significava ter Jesus como seu Salvador.

Primeiro, apontei que o cordão vermelho amarrado em seu pulso teria que ser retirado. (É um costume popular para os budistas cambojanos usar cordões vermelhos nos pulsos ou na cintura para invocar proteção espiritual). Depois que expliquei isso a Roat, ele cortou o cordão vermelho imediatamente – essencialmente “cortando laços” com outros deuses. Em seguida, eu o conduzi em uma oração de confissão e compromisso com Cristo. Sua esposa se recusou a acompanhá-lo, mas Roat não se intimidou.

Louvei a Deus por este grande passo na jornada de Roat. Mas as surpresas não pararam por aí. No dia seguinte, Piseth foi à casa de Roat para compartilhar uma mensagem da Bíblia com ele. Eles conversaram por uma hora e meia. Desde então, Roat frequenta a igreja na casa de Piseth.

Mesmo que eu esperasse e orasse para que Roat encontrasse Cristo e para que seu relacionamento com Piseth melhorasse, eu não esperava que as duas coisas acontecessem ao mesmo tempo!

Esses eventos me lembram as palavras de Hudson Taylor: “Quando trabalhamos, trabalhamos. Quando oramos, Deus trabalha.”

*Os nomes foram alterados

Pedidos de oração:

  • Ore para que a família de Piseth continue a crescer em sua fé em Cristo. Sua filha mais velha (6ª série) será batizada em breve.
  • Ore para que Roat tenha uma compreensão mais forte e clara de sua salvação.
  • Ore pela salvação das crianças que frequentam a Escola Dominical.

Compartilhe este post

Envolva-se

Tem perguntas? Envie-nos um e-mail.

Sua consulta será encaminhada para a equipe OMF pertinente.

Contact Form - PT

Ai clicar em Enviar, você concorda com o processamento das suas informações de acordo com os termos em nosso Política de Privacidade.