2020 é um ano bissexto. No calendário chinês, é o ano do rato.

Vou me lembrar dele como o ano da borracha.

Meu papel como Coordenador Internacional de Evangelismo geralmente envolve viagens frequentes. Eu visito países em todo o Leste Asiático para discutir estratégias de ministério, ajudar a treinar nossos colegas e participar de conversas. Como resultado, muito do meu trabalho é planejado com bastante antecedência. Uma vez que o cronograma de uma atividade é definido, eu anoto em minha agenda. Durante anos, usei uma caneta para essa tarefa. Em 2020, os planos eram tão incertos que mudei para o lápis. Cada página em minha agenda tem marcas e manchas, tarefas de que eventos foram apagados.

Além disso, dezenas de atividades presenciais foram convertidas para virtuais. Tive que criar um novo sistema de registro para a plataforma que seria utilizada. Para muitos eventos, o sistema também precisava exibir o link e a senha de acesso ao evento.

Durante os primeiros meses do lockdown induzido pela COVID-19, fiquei confortável com as reuniões realizadas no ciberespaço. Porém, a quarentena continuou e, com ela, a quantidade de reuniões virtuais. Entendi quantas aguentava por dia. Essa informação influenciou minha programação de reuniões futuras.

Vários meses atrás, comecei a fazer planos para 2021. Menos eventos foram programados do que o normal. Ainda assim, havia o suficiente para que eu precisasse de uma agenda para o ano. Normalmente, as livrarias de Manila começam a comercializar em setembro. No final de outubro, eu ainda não tinha visto nenhuma. Isso me fez pensar: “As livrarias e gráficas sabem algo que eu não sei? 2021 foi cancelado ou adiado?”

Eventualmente, fiz minha própria agenda. Algumas de suas páginas estão se enchendo. Estou escrevendo as atividades programadas a lápis. Minha borracha está perto, pronta para a ação. Enquanto faço esses planos, Tiago 4:15 ecoa em minha mente:

“Ao invés disso, deveriam dizer: “Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo‘”(NVI).

Esta lembrança me levou a criar uma lista de desejos para a primeira parte do ano:

Se o Senhor quiser, as congregações começarão a se reunir novamente para os cultos de adoração.

Se o Senhor quiser, o sustento de milhões de famílias famintas será restaurado.

Se o Senhor quiser, as portas das escolas se abrirão novamente para uma multidão de alunos solitários.

Se o Senhor quiser, minha caneta será reutilizada e meu lápis e borracha terão um longo descanso.

–Andy Smith
Coordenador Internacional de Evangelismo da OMF 

Start typing and press Enter to search